(*)Obs.: Campos de preenchimento obrigatório.
Fechar [X]
Últimas Notícias


Dicas para reduzir custos no Condomínio


Em tempos de crise adotar algumas estratégias para a manter a saúde financeira do condomínio e reduzir os custos fixos são sempre muito bem vindas, dessa forma sugerimos aqui algumas medidas que vão te auxiliar nessa jornada.

 

Invista em uma gestão sustentável

 

É preciso racionalizar os custos para evitar que o condomínio deixe de arcar com o pagamento de contas, de salários, ou deixe de fazer a manutenção preventiva. Para isso, o condomínio não pode arrecadar menos do que gasta.

 

- Realize pesquisas de preços para aquisição de qualquer material, principalmente de limpeza;

 

- Guarde os materiais em local seguro, dentro das especificações de cada um, fiscalizando suas retiradas, evitando-se furtos ou desvios;

 

- Oriente os funcionários a limparem as partes comuns do prédio em dia de pouco movimento e não chuvoso;

 

- Reavalie a folha de pagamento do condomínio verificando custos de contratação direta (Funcionários do prédio com folha salarial do piso da categoria; com controle de horas extras, sem abusos) comparando-os com os custos da terceirização desses serviços, existem relatos que em certos casos a economia chegou a atingir até 30%;

 

- Análise a viabilidade de fazer contrato de conservação e não de manutenção dos elevadores;

 

- Analise e Renegocie todos os contratos, inclusive de sua administradora;

 

- Verificar se sua administradora não está lhe cobrando itens a mais do que o estabelecido em contrato.

 

Dicas para Economia de Energia

 

Avalie possíveis desperdícios de energia elétrica. Programação de elevadores e instalação de sensores de presença são saídas comumente adotadas;

 

- Utilize sempre que possível iluminação natural, abrindo janelas, cortinas e persianas em ambientes como hall social, sala de visitas, salão de festas, salão de jogos etc.;

 

- Instrua os empregados do prédio a desligarem as lâmpadas de ambientes não ocupados, salvo aquelas que contribuem para a segurança;

 

- Limpe regularmente paredes, janelas, pisos e forros. Uma superfície limpa reflete melhor a luz, o que permite manter em nível menos intenso a iluminação artificial;

 

- Limpe regularmente as luminárias, lâmpadas e demais aparelhos de iluminação. A sujeira acumulada reduz a iluminação;

 

- Substitua, se possível, os difusores transparentes amarelecidos ou opacos por difusores de acrílico claro, com boas propriedades contra amarelecimento, pois eles permitirão melhor distribuição de luz;

 

- Substitua luminárias antiquadas ou quebradas por luminárias mais eficientes, de fácil limpeza e, de preferência, com lâmpadas expostas, as quais poderão ser de menor potência;

 

- Quando o fator estético não tiver importância, retire o acrílico e o globo que absorvem grande parte do fluxo luminoso. Você poderá assim utilizar lâmpadas de menor potência;

 

- Não use lâmpadas incandescentes de bulbo fosco dentro de globos. É preferível utilizar lâmpadas com bulbo transparente. As lâmpadas de bulbo fosco foram criadas para minimizar o efeito ofuscante e apresentarem uma luz confortável, suave e difusa, mas também absorvem uma parte de luz emitida pelo filamento;

 

- Como o globo elimina o ofuscamento, o uso de lâmpadas de bulbo fosco acarretará menor iluminação e poderá exigir lâmpadas de maior potência;

 

- No hall social, na entrada e na marquise do seu prédio, a instalação de lâmpadas incandescentes embutidas no teto é péssima solução do ponto de vista da utilização de energia. A eficiência do conjunto torna-se muito reduzida, o aquecimento é excessivo e a vida útil da lâmpada também se reduz por falta da ventilação adequada. A sugestão é rebaixar a lâmpada e reduzir sua potência ou usar lâmpadas refletoras de menor potência;

 

- As lâmpadas de 100 watts podem ser substituídas por lâmpadas de 40 ou 60 watts, o que proporcionará uma redução de 40% a 60% no consumo de energia elétrica, desde que de acordo com as recomendações do PPRA;

 

 - Nos corredores, no hall social e nas escadas verifique a possibilidade de substituir as lâmpadas incandescentes por fluorescentes compactas;

 

- Refaça, se possível, a instalação dos círculos de interruptores para permitir o desligamento parcial de lâmpadas em desuso ou desnecessárias;

 

- Em locais onde houver muitas lâmpadas acesas, verifique a possibilidade de desligamento alternado;

 

- Se houver na garagem luminárias fluorescentes comandadas em grupo, estude a possibilidade de instalar interruptores individuais comuns ou do tipo pêra; eles permitirão o desligamento parcial de determinadas lâmpadas, evitando-se a iluminação plena todo o tempo;

 

- Nas garagens procure iluminar somente as áreas de circulação de veículos e não diretamente os boxes;

 

- Ao desativar uma ou mais lâmpadas fluorescentes, não esqueça de desligar também o reator, caso contrário, ele continuará consumindo energia elétrica, reduzindo-se a sua vida útil;

 

- Rebaixe as luminárias instaladas entre as vigas do teto e da garagem. Com isto, aumentará a intensidade da iluminação, podendo inclusive reduzir o número de lâmpadas;

 

- Onde possível use uma única lâmpada de maior potência no lugar de várias lâmpadas de menor potência. As de maior potência são em geral mais eficientes que as de potências menor;

 

- Ao fazer uma reforma no condomínio, evite cores escuras nas paredes dos halls dos elevadores, escadas e corredores, pois exigem lâmpadas mais fortes, com maior consumo de energia elétrica;

 

- Em áreas externas (jardins, estacionamentos, áreas de lazer etc) estude a possibilidade de substituir as lâmpadas existentes por a vapor de sódio à alta pressão que fornecem mais luz com menor consumo de energia elétrica;

 

- Utilize somente lâmpadas de voltagem compatível com a voltagem da rede da concessionária;

 

- Utilize criteriosamente os elevadores;

 

- Desligue um dos elevadores no período noturno caso a edificação possua mais de um elevador, desde que não prejudique os moradores e esteja dentro da sugestão ou orientação do fabricante e/ou da empresa encarregada da manutenção.

 

Dicas para Economizar água

 

- Para a economia de água é indicado a instalação de hidrômetros individuais, pois incentiva a economia de água do prédio como um todo e pode representar uma economia de 20% na conta de água do prédio;

 

- Não deixe que o responsável pelos serviços gerais faça da mangueira uma vassoura;

 

- Tome medidas como verificar vazamentos, instalar redutores de vazão ou reaproveitar a água da chuva;

 

- Acompanhe o consumo mensal em m3 ;

 

- Solicite aos condôminos reparos urgentes nos problemas das respectivas unidades, principalmente das descargas velhas e obsoletas;

 

Mantenha as contas e as obrigações em dias

 

Todo condomínio deve ter em sua agenda de obrigações as manutenções preventivas que são bem mais baratas que as obras de reparação. Dentre essas manutenções estão a verificação do para-raio, bomba de água, elevadores, impermeabilização, verificação de vazamentos. Tudo isso evita obras de grande porte e, conseqüentemente, grande custo.

 

- Evite atraso nos pagamentos das contas, que acarretam multas, juros e transtornos;

 

- Certifique-se de que a arrecadação e os pagamentos de encargos previdenciários e trabalhistas estejam em dia;

 

- Verifique o cumprimento das normas Municipais e Estaduais, quanto à segurança da edificação, vigência da apólice do seguro, extintores, iluminação de emergência, corrimões nas escadas, PPRA, AVCB etc.

 

Faça um orçamento anual

 

Condomínio e administradora devem elaborar o planejamento financeiro anual a fim de evitar a emissão de cotas extras para dissídio de funcionários ou pagamento de 13º salário, por exemplo.

 

Gestão de Recursos Humanos

 

- Retenha os talentos, pois contratar funcionário é mais caro e improdutivo que aperfeiçoar a equipe, pois exige tempo de treinamento. Demitir também representa gastos adicionais com verbas rescisórias, além do risco de processos trabalhistas.

 

- Se os gastos com horas extras estiverem muito altos, é hora de repensar se não vale a pena contratar um outro funcionário. Se o zelador, que tem o maior salário do condomínio, faz hora extra na portaria com freqüência, isso pode justificar a contratação de um folguista, cujo salário é menor.

 

- Fazer avaliações anuais do quadro de funcionários e das escalas de trabalho pode reduzir a despesa com pessoal. Como base, é bom saber que, em média, um prédio pequeno tem seis funcionários: um zelador, um faxineiro, três porteiros para manter a portaria 24 horas e um folguista.

 

Combata a inadimplência

 

Exija o pagamento das quotas condominiais em dia e tome medidas para evitar que inadimplentes se tornem crônicos. Isso acontece quando não pagam cinco cotas ou mais. A primeira recomendação é procurar o inadimplente para tentar fazer um acordo amigável dentro das regras do condomínio através de sua Assessoria de Cobrança. A partir da terceira cota em atraso, recomenda-se entrar com processo judicial de cobrança e medidas de protestos.

 

Estimule a gestão participativa

 

Estimule em seu condomínio uma gestão participativa. Os condôminos podem fazer parte do dia a dia da gestão sugerindo idéias interessantes e alternativas inteligentes para a gestão do orçamento do condomínio.

 

Fontes:                     

Uol economia Finanças Pessoais

Grupo Ligth

Rau & Advogados